Monthly Archives: Janeiro 2009

Tempo

tempo

No relógio que compassa o tempo, as folhas que cairam de um passado recente. Imagem de árvore nua, no Inverno frio e ventoso, imagem de mim. Sonha-se com a primavera das tuas palavras, na firme emoção dos novos rebentos que irão virar folhas e fazer esquecer os braços despidos de ti.

Aguardo-te minha Primavera, na certeza do sonho impossível.


Livros

banco1

E ali sentado, desfolhando o livro de mim, passas-te como vento fazendo as folhas voarem, desmarcando-me da página onde ia. E nas páginas brancas do futuro apeteceu-me escrever uma história.

A minha história…

…a tua história…

…a nossa história.


Ervado

ervado

E sim, sonhei rebolar contigo neste ervado húmido e aconchegante, neste tapete verde feito de esperança. E sim, quis que fosse o teu retrato que por ali estivesse. Procurei-te por entre o verde das folhas, na firme ilusão de ver os teus olhos despontando por entre a relva selvagem.

Ficou incompleto…

…faltaram as tuas pétalas brincado ao sabor da aragem.


Estupidez

Assim como os problemas não marcam na agenda, na mesma proporção a estupidez não escolhe idades.


Cento e um

E o Amor vem

E o Amor vai

Num sentido perverso

De um medo que não sai

Livros escritos

Contos contados

E uma linha comum

Dos sentidos magoados

Cento e um dias

Cento e uma horas

Cento  e uma batidas

Na tua espera que demoras

Não sou

Não serei

Longe do teu Amor

Certeza que morrerei

Caminhos feitos

Passos dados

A sorte ao fundo

Dos dados lançados

Morre-se hoje

Talvez amanhã

Lógico porem

A bruma de uma manhã

Aqui fico

Aqui sou

Na contínua esperança

Que sei que me vou.


Anjos

E o Anjo da Morte chegou e pegando na mão disse:

– Vem, chegou a tua hora. Escolheste-a. Assim seja feita a tua vontade.

E a alma saiu do corpo inerte sobrevoando tudo e todos e até chegar às profundezas do Inferno.

Recebido por Azazel, rodeado por Abramalech, Asmodeus, Astaroth, Baalberith, Belial e Pazuzu, disseram em coro:

-Vem, a tua morada está pronta. Escolheste-a. Assim seja feita a tua vontade.


Intolerâncias

Se há coisas que não gosto é da intolerância. Intolerância pela cor da pele, religião, sexo ou qualquer outra coisa. É algo que me faz remoer as entranhas de mim.

E ao longo da vida já eu próprio senti intolerância, por ser gordo, feio, e outras coisas mais. Mas a intolerância que mais odeio é mesmo a intolerância dos pensamentos e sentidos. Ás vezes torna-se gritante a incapacidade do outro conceber que se sente e pensa de maneira diferente, que o que é válido para uns não é válido para outro, por tentar fazer com que uns vejam os pontos de vista do outro apenas porque tem a ideia que está certo. Mas será assim tão impossível conceber que os conceitos para uma mesma coisa pode ser diferente de pessoa para pessoa? Será assim tão inconcebível que o mesmo facto pode ter leituras diferentes? Julgo que não, tanto que eu próprio não julgo ninguém. Procuro conhecer para entender os pontos de vista, questiono para perceber o porquê dessa visão diferente da minha. Se a entender como errada, digo o porque a acho errada para mim, e apenas para mim. Mas não tento convencer ninguém que está errado. Esse convencimento tem que partir do outro, se julgar que os meus argumentos são válidos. Se não o julgar assim, apenas tenho que aceitar esse facto e nada mais. É principio meu aceitar as pessoas como são. E gostar delas assim. E o contrário poderá suceder também, e quem transformar os pensamentos seja eu, porque os argumentos que me apresentam são melhores que os meus, porque me fizeram perspectivar diferente sobre a mesma coisa. Mas uma coisa digo, não é a mostrar intolerância, que me fazem mudar de ideias. Não é a custo de insultos que conseguem argumentar. Ou conseguem, mostrando-me a mim, que são as minhas ideias que estão correctas, acreditando nelas ainda com mais convicção.

E é essa intolerância que me faz arrepender de me abrir, de me mostrar como sou, de mostrar tudo de mim. Porque sei que penso de maneira diferente, sinto de maneira diferente, julgo-me a mim mesmo de maneira diferente. E esse mostrar dá azo a essas intolerâncias.

Eu apenas sou intolerante perante uma coisa. A própria intolerância…