Monthly Archives: Fevereiro 2010

Huic ergo parce, Deus: Pie Jesu Domine, Dona eis requiem.

Anúncios

Puzzles…

Deu-me para os puzzles novamente…

Depois de uns quantos e de um interregno de talvez um ano, novamente a necessidade da lentidão no formar um qualquer desenho, debruçado sobre uma mesa até as costas doerem…

Ver surgir lentamente uma imagem, algumas vezes com um som em fundo, permite prender a mente, não a deixar zarpar, focalizar no preenchimento dos espaços vazios.

Como na vida…


Mais palavras para quê…


s/t

Caminhos cruzados, nas brumas do efémero, em folhas que caem gastas e descoloridas de uma qualquer árvore que estoicamente se mantém de raízes enfiadas na terra negra.

Caminho meu, com mais uma esquina a dobrar.

Não me falhem os pés e que a coragem não me falte…


15 February, 2010 17:00

Gosto de ficar quieto, sossegado, sentado no chão frio e trazer-te ao pé de mim. Gosto quando te sentas ao pé de mim, de costas na parede e me fazes voltar para ti e sorrir.

Gosto de conversar contigo sobre o tanto que já me mostraste, o tanto que já me deste. Aquele momento em que descias as escadas, aquele momento em que me mostraste as falésias, aquele momento em que me deixaste captar-te.Gosto de te falar desses instantes, desses segundos preciosos, vividos tão intensamente. Gosto de te sentir, bem perto, quando me dás o braço, quando te poisas no meu ombro.

E vem-me à memória, em filme lento, tanto e tanto.

Aquele momento, em que a brisa por momentos te levantou o cabelo, em que se tentava acender um cigarro com um isqueiro sem pedra, mas que preferia nem fumar a levantar-me e ir buscar um outro.

Aquele momento em que me pediste desculpa…

Aquele momento em que te disse "Pede-me desculpa outra vez…"


15 February, 2010 16:27

Sabes, a vida é sempre tão complicada, tão cheia de pesos, tão corrida, que às vezes perdemos o gosto do melhor. Mastigamos e engolimos em passo acelerado e nem nos apercebemos dos cambiantes do seu sabor. Perde-se no tempo a beleza dos momentos épicos que nem olhamos, fogem-nos pormenores de grandeza, aromas que nos fazem afinal travar.

Percorro contigo um caminho novo, em que as pequenas coisas ganham dimensões de gigante, em que a mais pequena partícula é sempre maior que Babel. Há sublimes que trazem a nós uma pureza tal que ficamos esmagados com a sua candura, a sua força suave. Há momentos em que se consegue fazer um estacar quase violento e pura e simplesmente sentir-se engrandecer.

Há palavras com forças descomunais, há gestos com quereres tão grandes. Há sonhos que são realidades paralelas, buracos negros que nos transportam a outras dimensões, onde podemos ser quem quisermos, onde podemos ter quem desejamos. Tantas vezes me transporto pelo espaço sideral, tocando em cada estrela luminosa que te reflecte, sentindo o calor que quase me queima. E vivo-te assim, em vida simples e atempada, em saboreares ternos. E cada momento é algo novo e resplandescente. Cada segundo é uma nova lembrança.

Gostar de ti é uma benção.

É transcendente e iluminador.

É conseguir atingir uma esfera maior.

É olhar para mim e sentir-me Homem


11 February, 2010 16:42

Escorre-me à boca, saem-me em bica as palavras de um sentimento perene e doce. O adorar maior, que eleva a alma a um ciclo superior, num desejar sem fim. Gosto-te no eterno sentido do doar o singelo que sou.

Afeiço-me às tuas falanges que se desenham no meu peito, ao teu respirar na curvatura do pescoço, aos teus lábios que segredam aos meus brandos roçares.

Gosto de ti. Gosto tanto de ti.

E um sorriso nasce-me nos lábios no filme das recordações que tenho contigo.

Memórias que a cada instante se acrescentam e se detalham, em fotogramas de uma candura imensa e gosto sem limites. Momentos, esses que constroem uma vida, que de tão saborosos, me alimentam, me aquecem e me enchem a alma que transborda em deleites maviosos.

Adoro-te meu anjo. Adoro-te para lá dos confins do imaginável.