12 March, 2010 01:26

Noites escuras, braços estendidos na procura do conforto suave da seda imaginada. Lua elegante, pérola que ascende no breu pontilhado a luz cantada no uivo raivoso dos cães amaldiçoados. Cansaço que cobre o corpo como manta de retalhos do dia final, julgamento divino na mente laboriosa.

Quando morrer, quero amores-perfeitos na campa, de cores mil, que de cinzas chega o caminho até ela.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: