Ecos…

“Acho que sim, que senti. Senti-te sim, Francisco. Sinto-te sempre. Aqui. Como sopro.

Mesmo que não imagines, és leve e pequeno como um grão, transporto-te e levo-te comigo. Mesmo que em silêncio, mesmo que sem terra, mesmo que sem tempo.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: