Há momentos…

Há momentos assim, em que a visão de um futuro se torna aterradora, em que procuramos no infinito fim ao que nos agarramos afinal. Há momento assim, em que tudo o que se vê não passam de fachadas simuladas, cenários de papel prontos a rasgar à minima brisa. Momentos em que olhamos as nossas mãos cheias de nada que não seja ar e imaginamos como ficariam molhadas com as lágrimas que teimam em não cair. Olhamos e nada vemos.

Afinal a realidade não passa de fantasmagóricas tentativas de um viver que não é mais que um sobreviver a custo. Quase se sentem os joelhos esfolados por entre buracos de calças gastas do rastejar sem descanso, sempre à espera da próxima pedra que nos trave a marcha lenta e sufocante.

Há momentos assim, em que tudo é engolido à custa de um copo de água gelada, que adormece a garganta para que não se sinta o passar atravessado de pensamentos gigantes como pontes, que caem ao estômago e fazem doer como se de um murro se tratasse. Olha-se e nada se vê.

Não há perspectiva que resista, querer que se aguente ou vontade que vingue.

Nada, como nas mãos…

Há momentos assim, em que o esforço do calar é hercúleo, em que a Jugular e a Carótida ficam em desafio da pele, em que os maxilares se juntam em força, em que se trinca o lábio por dentro até fazer sangue. Há momentos assim, em que tudo não passa de miragens inconsequentes, pontos de amarra forçados ao máximo.

Pergunto-me eu de que serve…

Há momentos em que simplesmente realizamos que a felicidade é apenas uma imagem esfumada de algo que poderia ser.

Há momentos em que a única palavra que aflora aos lábios é “desisto…”

Anúncios

10 responses to “Há momentos…

  • Ventania

    Apetece citar a Kate Bush: “Don’t give up, ‘cause you have friends”. Às vezes insistimos demasiado em caminhos de onde se avista a felicidade mas que não nos levam até ela.

  • Francisco

    Ou insistimos no caminho que até sabemos que não é por aí, mas é por aí que temos que ir, custe o que nos custar…

  • dulcineia

    Há momentos muito difíceis, de carência, em que apetece suplicar… Por que estás tão longe, quando poderias estar perto, por que foges à partilha, por que recusas o mais simples olhar…?
    Desculpa, Francisco, eu sei que o sofrimento dos outros não nos alivia, mas tu sabes que a vida é difícil para muita gente…

  • Francisco

    Verdade Dulcineia. A vida não é fácil para muita gente. Nem eu nunca disse o contrário. Mas apenas posso falar por mim…

  • dulcineia

    Talvez possa haver uma comunicação de almas que ajude a fazer a travessia do deserto.
    É isso que te desejo, amigo…

  • Francisco

    Grato Dulcineia.

  • Anónimo

    Também me apetece dizer palavras bonitas…
    Mas palavras, leva-as o vento…

    Agarra-te a tudo de FANTÁSTICO que tens !!!

    Anya

  • Francisco

    É o que vou fazendo Anya…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: