Monthly Archives: Abril 2011

Ouve…

… com o coração. É assim que te sinto benfazejo meu, todos os dias da minha existência de há tanto tempo para cá e para sempre minha.

Anúncios

Do nada…

Assim, do nada, há muitos poucos dias, cresceu em som esta melodia.

Primeiro, num rádio e senti saudades.

Depois, alguém com um pequeno pífaro, fez ecoar as notas de uma varanda de um qualquer prédio vizinho e voltei a sentir saudades…


Uma profunda tristeza invade-me o corpo e o espírito.

Como aquela de ficar em cais acenando a um navio que parte, quando o nosso desejo era seguir com ele.


Curiosidades…

Hoje é o dia mundial do beijo.


Vem…

…não te atrases.

Gosto de te ver chegar com o sorriso que ilumina tudo o que te rodeia.

Apetece-me abraçar-te, naqueles abraços que não terminam, que sabemos que são o prolongamento de todos os abraços passados e que, ainda que os braços se apartem, continuará até ao infinito.

Fica, assim como estás, que os meus olhos não se cansam de te ver. Descansam em ti de tudo o resto que existe, afastam-se do mundo e ficam apenas em suspenso na curva da tua face.

Dá-me a tua mão. Os dedos entrelaçados dão-me fulgor para respirar mais uma vez, alijam a carga que é simplesmente caminhar. Nota-se nas pegadas que os passos se arrastam, excepto quando estás assim, de dedos entrelaçados.

O ar fica mais fresco quando vens, quando passas em  meu redor de dedos poisados no meu ombro, ligeiros mas marcantes.

A tarde finda. Ainda há sol e quero ver-te a figura a contra-luz desenhada num horizonte desfocado.

Vens, não vens? E não te atrasas, pois não?


Lava-se a cara…

… como se quisesse lavar todo o corpo. Muda-se imagem na vã esperança de que tudo o resto se modifique com ela. Os olhos cansados tendem a fechar de remelas coladas (vindas sabe-se lá de onde!!).

Será cansaço? Ou lágrimas petrificadas? Não sei…

Fica a nova imagem, até que os olhos de novo se cansem…


Hoje o mar sou eu…