Tempo…

Como fósforo, o tempo vai passando quase sem se dar por isso, principalmente quando quem nos acompanha ao longo desse tempo no enche de um carinho e ternura imensa.

És meu eterno, por muito mais tempo que aquele que é possível contar. Guardo-te em caixinha de madeira exótica, entre folhos de cetim debruados a ouro. Guardo-te em cru, na essência que me rodeia. Guardo-te nos cheiros, nos gostos, nos risos e nas lágrimas, nas saudades das partidas e na felicidade dos voltares, no rodopio de um abraço e num beijo a duas mãos, sempre, até sermos velhinhos…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: